top of page
Buscar

Peixe Florescente Proibido no Brasil, Cuidado multas para compra e venda no valor de R$...




Nos últimos anos, o comércio de peixes ornamentais ganhou popularidade em todo o mundo, proporcionando aos entusiastas da "aquariofilia" termo usado para quem é apaixonado por aquarios, uma variedade de espécies coloridas e exóticas para adornar seus tanques. Entre essas espécies, os Glofish e os Tetras Fluorescentes emergiram como objetos de fascínio devido às suas cores vibrantes e propriedades únicas de fluorescência. No entanto, recentemente em 2017, o Brasil implementou uma proibição da venda desses peixes no país, levantando questões sobre os motivos por trás dessa decisão e os possíveis impactos na indústria e no meio ambiente. As Multas Podem variar de R$ 1.000,00 a mais de R$ 100.000 reais para compra e venda desse animais ! O peixe-zebra (Danio rerio) é uma espécie originária da Ásia. No final da década de 1990, pesquisadores da Universidade Nacional de Singapura resolveram usar o animal de quatro centímetros para realizar pesquisas científicas, criando peixes brilhantes.   


Para isso, injetaram genes de águas-vivas fluorescentes nos peixes, que permitiriam ao animal usar o artifício para detectar poluição. Mas nos anos 2000, empresas resolveram tirar proveito da ciência e comercializar os peixinhos transgênicos verdes, azuis e vermelhos. 


-------------------------------------------------------


Empresa de Austin por trás de peixes que brilham no escuro em lojas de animais vende propriedade intelectual por US$ 50 milhões

Os peixes fluorescentes que você vê no Walmart e PetSmart foram desenvolvidos por uma empresa com sede em Austin, fundada em 2001. A marca GloFish foi recentemente comprada por uma grande empresa de bens que também vende produtos de cuidados automotivos Armor All, baterias Rayovac e cozinha Black + Decker. eletrodomésticos.


Motivações e Justificativas da Proibição

Veja a argumentação da proibição :

A proibição da venda de Glofish e Tetras Fluorescentes no Brasil foi motivada por uma série de preocupações ambientais e éticas. Em primeiro lugar, há preocupações sobre o bem-estar dos próprios peixes. Embora muitos defensores argumentem que essas espécies são geneticamente modificadas para fluorescerem sem sofrerem danos, ainda existem incertezas sobre os potenciais efeitos negativos dessas modificações em sua saúde e qualidade de vida.


Além disso, há preocupações ambientais relacionadas à possível introdução dessas espécies em ecossistemas nativos. Os Glofish e Tetras Fluorescentes são frequentemente descartados em rios, lagos e oceanos por proprietários de aquários que não desejam mais cuidar deles. Esses peixes geneticamente modificados podem competir com as espécies nativas por recursos, perturbando assim o equilíbrio ecológico dos ecossistemas locais.


Outra justificativa para a proibição é a questão ética associada à manipulação genética de animais para fins estéticos. Muitos críticos argumentam que é antiético alterar geneticamente animais apenas para atender a padrões de beleza humanos, especialmente quando essas modificações podem afetar adversamente sua saúde e bem-estar.


Impactos na Indústria de Aquariofilia


A proibição da venda de Glofish e Tetras Fluorescentes certamente terá um impacto significativo na indústria de aquariofilia do Brasil. Essas espécies ganharam popularidade entre os aficionados por aquários devido à sua aparência única, e sua proibição pode resultar em uma diminuição nas vendas de equipamentos relacionados a aquários, alimentos e outras espécies de peixes.


Além disso, os comerciantes de peixes ornamentais e lojas de animais de estimação que dependem das vendas dessas espécies podem enfrentar desafios financeiros. Eles precisarão ajustar seus estoques e estratégias de marketing para compensar a perda de receita decorrente da proibição.


No entanto, é importante destacar que a proibição dessas espécies também pode abrir espaço para a promoção de alternativas mais sustentáveis e éticas na aquariofilia. Os consumidores podem ser incentivados a optar por espécies de peixes nativas ou não modificadas geneticamente, promovendo assim a conservação da biodiversidade e o bem-estar animal.


Implicações Ambientais e Ecossistêmicas


Do ponto de vista ambiental, a proibição da venda de Glofish e Tetras Fluorescentes pode ter consequências positivas para os ecossistemas aquáticos do Brasil. Ao restringir a introdução dessas espécies em ambientes naturais, o país pode ajudar a proteger sua rica biodiversidade e evitar potenciais impactos negativos nas populações de peixes nativos.


Além disso, a proibição pode servir como um exemplo para outros países que enfrentam desafios semelhantes relacionados à introdução de espécies exóticas e geneticamente modificadas em seus ecossistemas. Ao liderar o caminho na implementação de políticas de conservação e proteção ambiental, o Brasil pode influenciar positivamente as práticas globais de aquariofilia e promover uma abordagem mais responsável em relação ao comércio de animais ornamentais.


Conclusão


A proibição da venda de Glofish e Tetras Fluorescentes no Brasil reflete um esforço para equilibrar as demandas da indústria de aquariofilia com considerações ambientais, éticas e de bem-estar animal. Embora essa decisão possa ter ramificações econômicas para os negócios relacionados à aquariofilia, ela também oferece oportunidades para promover práticas mais sustentáveis e responsáveis dentro da indústria.


Em última análise, a proibição da venda de Glofish e Tetras Fluorescentes no Brasil destaca a importância de equilibrar os interesses comerciais com preocupações mais amplas relacionadas à conservação da natureza e ao bem-estar dos animais. Essa medida representa um passo significativo na direção de um futuro mais sustentável e harmonioso para a aquariofilia e para o meio ambiente como um todo. Deixe abaixo sua opnião a respeito do assunto !

212 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page